Star Trek: Discovery | Vale a pena acompanhar a série?

Série de Star Trek pretende dar novos ares à velha franquia

Star Trek é uma das maiores franquias de ficção científica da história. Desde a estreia da série original, em 1966, foram 13 longas e outras 5 séries para a TV. Entre sucessos e fracassos, Trek ganhou notoriedade mundial e rapidamente se tornou um dos maiores fenômenos pop dos últimos tempos. E agora, após o reboot nos cinemas com Chris Pine Zachary Quinto, a franquia retorna para as telinhas com Star Trek – Discovery, que tem os primeiros dez episódios já disponíveis no catálogo da Netflix. 

(Veja também: Como Tarantino poderá salvar a franquia de Star Trek nos cinemas).

Vale esclarecer uma coisa: a nova série foi feita para iniciantes. Então não se preocupe em ver os filmes ou algo do tipo. Discovery, como o próprio nome já indica, quer te fazer descobrir este novo mundo – e se encantar por ele.

A trama segue a história da oficial Michael Burnham (interpretada pela carismática Sonequa Martin-Green), que se depara com uma ameaça que promete levar a Federação a uma guerra intergaláctica. O enredo é simples, mas Discovery acerta ao escolher sua heroína: Burnham é uma personagem complexa, dividida numa batalha entre a lógica (por sua criação) e a emoção (por sua condição humana). Sua cor de pele é tratada com naturalidade. Jamais se pretende inseri-la em um estereótipo pré-formado.

A atriz Sonequa Martin-Green, em seu papel como a oficial Michael Burnham.

O mérito de Discovery é conseguir envolver os espectadores desde o começo. O elenco é bom, o esmero visual é notável e os diálogos são bastante envolventes. O resultado disso é uma rápida sensação de familiaridade com o universo. Com o receio de afugentar os “novatos”, o roteiro opta por revelar as informações aos poucos, e assim manter o interesse e construir uma tensão palpável.

No entanto, essa cautela tem suas consequências. A introdução acaba sendo longa demais, e é preciso alguma paciência até que uma ameaça real se apresente. Embora o ritmo seja corrigido após o segundo episódio, a sensação de que a série só começa no terceiro capítulo é inevitável. Não fosse o carisma da protagonista, alguns talvez teriam desistido logo no início.

O saldo de Star Trek: Discovery, no fim das contas, é positivo – pelo menos até agora. Com a proposta de conquistar fãs fora do nicho “trekkie”, a série encanta e promete conduzir seus espectadores numa interessante viagem de descobertas. Seus primeiros episódios são cheios de ação, Discovery, ainda que não seja uma obra de arte, é uma excelente opção de entretenimento fácil para todas as idades.

 

Comente Aqui!