Dicas | Livros infantis que todo adulto deveria ler

Leia os livros da sua infância com novos olhos

Quando um autor escreve livros infantis, é natural que ele tenha em mente seu público alvo, e assim utilize recursos de escrita e de estilo que agradem seus leitores mirins. Porém, os bons escritores costumam criar, em seus livros, camadas profundas que interagem também com o público adulto, mas de uma maneira totalmente diferente.

Há, também, aqueles escritores que criam histórias tão marcantes, que acabam sofrendo adaptações e releituras para se tornarem mais acessíveis para as crianças. Neste caso, muitas dessas adaptações literárias se tornam famosas por suas versões infantis, e então nos esquecemos de ler as suas versões originais.

A lista a seguir é dedicada a estes autores. São cinco livros que você precisa conhecer (ou reler), agora que sua idade lhe proporciona desfrutar de uma nova camada de diversão e reflexão. Confira:

1. Peter Pan

A famosa história do menino que não queria crescer, de J. M. Barrie, tem duas prováveis fontes: o autor criou o personagem para contar histórias de dormir para crianças, mas também pode ter sido influenciado pela morte de seu irmão mais velho aos 13 anos – que, assim, nunca deixou de ser criança. Uma união que nitidamente resultou em uma história com várias camadas, além da fantasia infantil com aventuras de uma criança parada no tempo, temas como a complexidade da fuga das responsabilidades e medo do desconhecido são marcantes na obra de Barrie, e valem a leitura.

2. O Maravilhoso Mágico de Oz

O mundo criado por L. Frank Baum e as aventuras da garotinha Dorothy são um prato cheio para a criançada. Afinal, o autor assumiu a proposta de renovar contos infantis sem a presença de “sofrimento e pesadelos”. Mesmo assim, a mensagem central do livro é brilhante e aplicável em qualquer parte da vida: nós somos melhores do que pensamos. Os personagens companheiros de Dorothy – o Espantalho sem cérebro, o Lenhador de Lata sem coração e o Leão covarde – são atrativos para o público infantil, mas também são figuras importantes para a construção das mensagens de inteligência, bondade e coragem nas entrelinhas do livro. Além deles, o próprio Mágico de Oz, ao mesmo tempo em que é uma alegoria para as crianças, proporciona, com suas atitudes questionáveis, uma reflexão para os adultos.

3. Alice no País das Maravilhas

Lewis Carroll escreveu “Alice no País das Maravilhas” com um viés totalmente filosófico; a obra de 1865 gera estudos e novas interpretações até hoje. O clássico da literatura infantil é recheado de elementos fantasiosos, quase como um sonho, o que atrai o público infantil. Porém, usa também o mergulhar de Alice na toca (no desconhecido), o crescer e o diminuir constantemente (mudanças corporais) e o desbravar de um novo mundo (o mundo jovem) para fazer um paralelo com o período da adolescência. E, por fim, também é recheado de enigmas, sátiras e paródias, ao abordar o existencialismo e o autoconhecimento – elementos mais direcionados ao público adulto. Um livro para todas as idades que possui um bônus com o mesmo poder, a continuação da história: “Através do Espelho e o que Alice Encontrou Lá”.

4. Contos dos Irmãos Grimm

Os irmãos Grimm são autores de uma série dos mais famosos contos infantis de todos os tempos: “João e Maria”, “Chapeuzinho Vermelho”, “Branca de Neve” e “Cinderela”. Todos conhecem as versões infantis destes contos, e como as crianças (e vários adultos) gostam deles. Talvez seja o momento de se dar a chance de conhecer as histórias originais dos contos dos Grimm, nos quais a dose pesada de fantasia dá lugar ao macabro, e a famosa moral dos contos é substituída por uma reflexão mais profunda sobre negligência familiar, pobreza, violência sexual, obediência e muitos outros temas de interesse.

5. O Hobbit

J. R. R. Tolkien deu um toque extremamente jovial ao “Hobbit” quando comparado à trilogia de O Senhor dos Anéis. É um livro relativamente pequeno, com seres frágeis se superando e fazendo coisas incríveis, além de canções animadas e linguagem simples. Mas não se engane: a introdução ao mundo fantástico da Terra Média e às aventuras de Bilbo são facilmente apreciadas por qualquer adulto. Afinal, Tolkien constrói personagens intensos, passados interessantes e mistérios que giram em torno de toda a provação que o frágil protagonista percorre na sua jornada de superação – além de monstros, objetos mágicos, uma pitada de romance e dragões, que são interessantes para quase qualquer público.

Veja também: As seis sagas mais amadas.

Comente Aqui!